Transtorno bipolar pautará discussões em seminário na UCPel

O 30 de março é a data escolhida para chamar a atenção da população mundial sobre o Transtorno de Humor Bipolar (THB). Um seminário na Universidade Católica de Pelotas (UCPel), no dia 31 de março, pretende mostrar a diversidade dos tipos de transtornos existentes e chamar a atenção para a importância de humanizar a psicopatologia que, nos últimos 15 anos, ganhou destaque, mas de maneira rotulada. 
Professores da UCPel, das universidade federais do Rio Grande do Sul (UFRGS),de Pelotas (UFPel), do Rio Grande (Furg) e profissionais atuantes na área da saúde pública serão os palestrantes convidados. O evento, com início marcado para as 18h, será dividido em dois blocos, voltados primeiramente para a definição e identificação do THB e, posteriormente, para apresentação dos tipos de intervenção adequados para tratamento da psicopatologia.
Na avaliação do professor e pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Saúde e Comportamento e do curso de Psicologia da UCPel, Luciano Souza, a realização do evento é relevante por contrapor a forma superficial que a doença muita vezes é tratada. “De uns 15 anos para cá o transtorno bipolar ficou na ‘moda’, começou a ter espaço em novelas, filmes, reportagens em jornais e revistas não especializadas. Muitas vezes esses espaços retratam casos específicos, dão apenas uma cara para o transtorno que tem múltiplas maneiras de se manifestar”, informa. 
O seminário, intitulado Atualizações em Saúde Mental, deverá ser realizado frequentemente, sempre propondo o debate de temas voltados à saúde mental. Na edição do dia 31, o tema bipolar foi escolhido pela celebração mundial da data, mas também devido à contribuição que o Programa de Pós-Graduação da UCPel trouxe para a área, através de atendimentos realizados durante os anos de 2012 a 2015. Essa assistência foi finalizada devido ao corte de verbas pelo Governo Federal. 
Conforme o professor Luciano Souza, foram diversos artigos publicados em revistas científicas conceituadas internacionalmente sobre o resultado do processo de psicoeducação. “Oferecemos também o acompanhamento para familiares. Muitas vezes eles têm uma sobrecarga muito pesada até o tratamento começar a apresentar resultados”, lembra. Apesar o término do ambulatório voltado especificamente para o atendimento, o Serviço de Psicologia da UCPel, além do Sistema Único de Saúde, continuam realizando esse tipo atendimento. 
Sobre as palestras
O professor e psiquiatra da UFRGS, Ives Cavalcante Passos, será o responsável por iniciar as apresentações. O convidado irá mostrar o transtorno bipolar com suas principais caracterizações. Em seguida, o professor da UFPel, psicólogo Tiago Munhoz, falará sobre a epidemiologia do transtorno bipolar, através de mapeamento de quanto a doença afeta a população.A professora e psicóloga da UFRGS, Adriane Rosa, mostrará o que acontece no cérebro de alguém com transtorno bipolar, como as variações de humor e oscilações de sistemas cerebrais. Finalizará a primeira parte da programação um debate com a participação dos professores da UCPel, Karen Jansen e Jean Pierre Oses. 
Na segunda parte do encontro, com início às 20h, o psicólogo do Centro de Atenção Psicossocial (Caps Escola), Gustavo Cavada, vai apresentar a rede de saúde pública e como ela acolhe as pessoas, visto que muitos pacientes acabam utilizando múltiplos serviços. A professora da UCPel, psiquiatra Martha Abuchaim, abordará o tratamento farmacológico para o THB. O professor da Furg, psicólogo Augusto Farias, apresentará as psicoterapias eficazes para o transtorno. A coordenadora do Serviço de Psicologia da UCPel, Maria Clara Salengue, e o professor Luciano Souza finalizarão o evento comum debate. 
O evento foi pensado para explicar à população acadêmica e comunidade a diversidade de casos que existe para esse tipo de transtorno. “Queremos humanizar essa psicopatologia para não ficar só no rotulo. Isso pode acabar interferindo na vida dessas pessoas. Cada um tem o seu transtorno, sua forma de ficar maníaco ou depressivo, sua frequência e duração especifica para os episódios”, explica Luciano Souza. 
O seminário é gratuito e voltado para acadêmicos da área da saúde e interessados no tema. É solicitado aos participantes a doação de um quilo de alimento não perecível no dia do evento. As inscrições podem ser feitas antecipadamente no saguão do Campus I, por este link ou no dia da atividade.   

foto da notícia