Medicina

Como funciona o estágio em medicina? Saiba tudo sobre o assunto!

O estágio é a primeira fase de atuação de qualquer carreira. É nesse momento que o futuro profissional, ainda enquanto está estudando, pode entrar em contato com o ambiente de sua profissão e colocar em prática seus conhecimentos e habilidades. Em geral, essa é uma exigência de cursos técnicos, profissionalizantes e de graduação. No caso da área médica, o estágio em medicina é conhecido como internato, sendo uma das etapas mais importantes para a conclusão do curso.

Embora muitas pessoas queiram seguir uma carreira médica, nem todas compreendem exatamente como funciona o internato, tendo dúvidas sobre em que momento ele acontece, quais as exigências dessa etapa, etc. Por conta disso, para explicar melhor como ocorre o estágio no curso de medicina, elaboramos o texto a seguir. Acompanhe!

O que é o estágio em medicina?

Conhecido como internato, esse é o momento do curso em que os estudantes são inseridos na prática e no cotidiano da realidade médica. Interessante dizer que nem sempre houve estágio em medicina no Brasil. Essa prática passou a ser realizada apenas na década de 1940, sendo influenciada pelo modelo de formação utilizado nos Estados Unidos. Em um primeiro momento ele não era obrigatório no país, mas essa realidade mudou a partir de 1969, quando ele foi oficializado e regulamentado pelo Conselho Federal de Educação (CEF).

Estagiar é uma parte muito importante da formação médica, porque é nesse momento que o estudante, ainda enquanto está cursando a graduação, pode entrar em contato com a realidade de sua futura profissão. Além disso, terá nessa etapa o auxílio de profissionais já formados e mais experientes, que auxiliarão todo o processo. É nesse momento, portanto, que o interno (nome dado ao estagiário de medicina) poderá tirar suas dúvidas, testar suas habilidades e sentir na pele como funcionará seu futuro cotidiano.

Como ele funciona?

De maneira geral, o internato acontece nos dois últimos anos do curso. Nesse momento os estudantes são divididos em pequenos grupos para que juntos, e auxiliados por profissionais experientes, entrem em contato com as principais atividades médicas. Os períodos do internato acontecem por meio de rodízios, para que os internos possam lidar com todas as grandes áreas da medicina.

Durante esses rodízios, o estagiário terá atividades no primeiro, segundo e terceiro nível de atenção de cada área. Em sua maioria, as atividades são práticas, de forma que a carga horária teórica não pode ser maior que 20% do total do estágio. Além disso, ao menos 30% da carga horária total do internato precisa ser desenvolvida na atenção básica e no serviço de urgência e emergência do SUS, com prioridade para a atenção básica.

É importante entender que nesse momento os estudantes serão supervisionados por um Médico responsável e por um Residente. Embora os internos devam participar de todo o cotidiano médico, as decisões finais não podem ser tomadas por eles, pois ainda não são profissionais formados. Nesse sentido, o interno pode (e deve) sugerir soluções e diagnósticos para os casos que entrarão em contato, mas a decisão final precisa ser avaliada e tomada pelos profissionais supervisores.

Qual a diferença entre Internato e Residência?

Ter dúvida quanto à diferença entre internato e residência é algo comum entre quem pretende cursar medicina. Essa dúvida é legítima, pois de fato ambas as atividades trabalham com a inserção do estudante na prática da profissão. Contudo, a intenção de cada uma é diferente, assim como também são distintas as práticas às quais os internos e residentes serão submetidos.

Enquanto o interno está nos últimos anos do curso de medicina, o residente já é um médico formado, mas que está em busca de sua especialização. Dessa forma, a primeira diferença é que a residência é algo opcional ao médico formado, enquanto o internato é um quesito obrigatório na formação, sem a qual não é possível conseguir o diploma de medicina.

A residência, portanto, é uma pós-graduação. O intuito dela é tornar um médico formado em um especialista de determinada área. Por exemplo, caso um médico opte por fazer residência em oncologia clínica, ele será envolvido diretamente na avaliação dos pacientes internados, entrará em contato com o atendimento ambulatorial e fará estágios em pronto atendimentos, radioterapias, etc. Ao contrário do interno que tem um contato mais amplo com a realidade médica, o residente foca sua atenção de forma profunda em uma única área de especialização.

Qual a importância de uma boa faculdade na hora do estágio?

Como dito anteriormente, o estágio em medicina é obrigatório, portanto, precisa ser ofertado por todos os cursos do país. Contudo, nem toda faculdade conta com seu próprio hospital universitário para fornecer aos estudantes a estrutura necessária para realizar o estágio. Dessa forma, muitas instituições precisam recorrer a convênios com outros hospitais para fornecer essa atividade.

Nesse sentido, para pensarmos na qualidade do estágio que o estudante de medicina realizará é fundamental levar em conta também a qualidade da faculdade que ele cursará. Perceber se ela tem bons profissionais para auxiliar o trabalho dos estudantes e também se tem boas relações com o hospital em que será realizado o estágio.

Por exemplo, quando o curso tem um Hospital Universitário próprio, isso favorece a boa formação do médico, pois desde os primeiros momentos ele já pode entrar em contato com a realidade da profissão, atendendo a comunidade, participando de consultas, fazendo visitas domiciliares e tudo isso discutindo com colegas e professores.

Além disso, é importante que a instituição seja reconhecida e busque constantemente estar em contato com as novidades da área. Assim como todas os demais ramos do saber, a medicina está em constante atualização, por isso é fundamental que a faculdade acompanhe as atualizações da área tanto teóricas quanto práticas, para que no momento do estágio o interno tenha condições de entrar em contato com o universo mais moderno de sua futura profissão.

Muitas pessoas não compreendem totalmente o que é o estágio em medicina. Como você pode perceber, essa é uma parte importantíssima da formação médica, pois é o primeiro mento em que o estudante entrará em contato com sua futura profissão. Por conta disso, fazer um bom internato é indispensável para garantir uma alta qualidade do serviço médico. Para isso, além de estar de acordo com as exigências nacionais, é necessário que a instituição forneça aos estudantes uma estrutura profissional e técnica avançada, que permita aos internos tirarem o melhor proveito dessa etapa fundamental em suas carreiras.

Você conhecia essas informações sobre o funcionamento do estágio no curso de medicina? Quer saber mais sobre esse e outros assuntos que permeiam esse universo? Então, curta nossa página no Facebook!

Sair da versão mobile