fbpx
Save the date

Descentralizar o atendimento jurídico na cidade. É com esse objetivo que o projeto de extensão Pacientes Jurídicos, da Universidade Católica de Pelotas (UCPel), tem realizado atendimentos jurídicos nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) da Sanga Funda e Pestano.

:: Confira a matéria em vídeo

As duas UBSs são administradas pela universidade e recebem os atendimentos através do projeto formado por acadêmicos do curso de Direito da UCPel, orientados pela professora Ana Luiza Berg Barcellos. De acordo com o planejamento do projeto, os atendimentos acontecem a cada 15 dias tanto na unidade da Sanga Funda, nas sextas-feiras, quanto na UBS Pestano, nas segundas-feiras. 

Entre as demandas que mais surgem, questões de família e fixação de alimentos estão entre as mais comuns. “Temos percebido uma crescente demanda também quanto às questões que envolvem saúde e as de natureza previdenciária”, conta a professora Ana. 

Para entrar em contato com o projeto, basta enviar e-mail  para pacientes.juridicos@ucpel.edu.br.

Conexão entre áreas de conhecimento

De acordo com Ana Luiza, além da Medicina, o projeto também trabalha junto com os cursos de Psicologia e Serviço Social, setores que também atendem a comunidade nestes bairros e auxiliam na compreensão de cada situação. “Em alguns casos é possível compreender melhor o contexto psicossocial das pessoas que estamos atendendo”, aponta a professora. 

A coordenadora também conta que, com a Medicina, é também estabelecido um diálogo, pois auxiliam em documentações necessárias para as ações que envolvem o direito à saúde, por exemplo. 

Projeto permite formação humanística aos alunos

Atualmente, o projeto conta com três acadêmicas realizando os atendimentos na UBS Sanga Funda. Gabriela Vasques, Marinara Rosa e Maria Fernanda de Souza, todas cursando o 9º semestre do curso de Direito da UCPel. 

De acordo com Gabriela, que está no projeto há três anos, o Pacientes Jurídicos tem sido muito bom para que seja possível colocar em prática aquilo que é ensinado em sala de aula.

A acadêmica conta que é totalmente diferente ver o Direito na lei e depois na prática, pois é possível transformar a vida das pessoas com o que se aprende na faculdade. “Além de ser um trabalho importante à comunidade, que muda a vida das pessoas, eu também vejo como um diferencial da universidade porque é transformador o nosso aprendizado tendo o contato com a prática e com as pessoas”, conta a estudante. 

Para acompanhar mais a rotina do Pacientes Jurídicos, siga o perfil do projeto no  Instagram.

Redação: Lizandra Vilela 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.