quero ser médico

Quando pensamos na profissão que queremos seguir, é necessário avaliar o conceito de realização. Essa palavra diz respeito tanto ao ato de realizar alguma coisa quanto à satisfação que sentimos quando realizamos uma atividade. Por sua vez, ela deve estar em harmonia com nossas habilidades e vocação. Você já disse para si mesmo “quero ser médico”, com sinceridade?

Sendo positiva ou negativa a resposta, convidamos você a reflexões imprescindíveis. O curso de Medicina vale a pena no seu caso? Você tem vocação profissional para ser médico? A Medicina é uma profissão muito valorizada e, portanto, é concorrido para ingressar na faculdade. E mais, para completá-la, é necessário muita disciplina e determinação. Essas características fazem parte da sua personalidade?

Mesmo com tantas dificuldades, é possível escolher ser médico, passar nas provas, frequentar uma universidade incrível, exercer uma linda profissão, ganhar muito dinheiro e sentir-se realizado. Mas é preciso ponderar diversos fatores relevantes. Siga com a leitura deste post e decida se essa é a profissão certa para você!

“Quero ser médico”. Será?           

Você está disposto a deixar de sair com os amigos que escolheram algum outro curso menos concorrido? Na verdade, essa pergunta serve tanto para o período preparatório de provas de vestibular e Enem quanto para o decorrer de toda a faculdade. Lembre-se de que, minimamente, você vai estudar por 6 anos.

Além disso, as aulas acontecem em dois turnos. Essas colocações estão sendo feitas para que você se pergunte se há um real interesse. Afinal, é muito tempo e muita energia despendida em prol de um único objetivo. E não importa se você vai lidar diretamente com os pacientes ou ser um pesquisador, o esforço é real nos dois casos.

Estudar para o resto da vida. Tudo bem?

O bom profissional nunca para de estudar, e a Medicina é muito dinâmica. Novas descobertas e reavaliações são feitas a todo instante. Efetivamente exige vocação, que é aquela disposição natural que temos para realizar alguma coisa, aquele entusiasmo que nos faz passar horas entretidos sem nos apercebermos disso.

Uma coisa é certa, pela constante demanda por esses profissionais, os médicos são os que têm mais chance de sempre ter trabalho, além de serem os que recebem os melhores salários no Brasil. De acordo com o Ipea — Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada — “Medicina é a carreira que melhor remunera (…). Esses profissionais trabalham 42,03 horas semanais e 91,81% estão empregados.”

4 pontos a serem considerados

Conheça seus gostos e preferências

Esta pode parecer uma questão óbvia demais, mas, pare para pensar assim mesmo. Se for necessário, pegue um papel em branco e coloque suas ideias nele. O que você gosta de fazer? E o que não gosta? Quais são as coisas de que você abriria mão no seu dia a dia?

Por exemplo, estar no meio de uma festa ou de um almoço de família e ter que atender a um plantão. Ou ficar horas em um laboratório até encontrar a resposta necessária. Claro que você pode pensar de forma diferente daqui a alguns anos a respeito de muitas coisas, porém, há aquelas que tendem a nos acompanhar pelo resto da vida.

Saiba quais são seus objetivos

Quando pensamos a respeito da nossa rotina, verificamos que nosso dia é multifacetado, ou seja, preenchido por diversas atividades. E esse mesmo raciocínio pode ser ampliado para abranger uma semana, um mês, um ano e, claro, uma vida inteira. Faça um teste. Anote tudo o que você faz durante um dia, uma semana, um mês, um ano.

Perceba que higienizar-se, comer, ler, praticar exercícios, encontrar com a família e com os amigos, viajar e inúmeras outras tarefas que fazem parte da vida de qualquer pessoa gastam tempo. Pense: qual é seu objetivo? Casar-se? Divertir-se? Ganhar dinheiro? Ser reconhecido? Sim, você pode fazer tudo isso, mas verifique o valor que cada uma dessas coisas tem na sua vida.

Busque informações sobre o curso e a profissão

É muito comum romantizarmos a vida, porque é muito confortável nos imaginarmos bem-sucedidos, entrando em um carro do ano e frequentando os melhores restaurantes da cidade. Mas você já parou para pensar pelo que as pessoas passaram para chegar aonde estão? Por esse motivo, uma dica muito especial é informar-se o máximo possível.

Questione — quantas horas de aula, quantas horas de estudo em grupo e sozinho, quantas horas dentro de um laboratório? O que exatamente você vai ver desde os primeiros dias de aula? Essas e outras perguntas precisam ser respondidas. Para isso, você vai precisar contatar algum estudante e tirar essas dúvidas.

As perguntas, nesse momento, não param. Como é assistir um paciente? O que significa lidar com a dor do outro? Assim, também é muito importante procurar um profissional. Diversifique seus interlocutores. Isto é, procure alguém que trabalhe em consultório, outro que atue em hospitais. Do mesmo modo, tem aquele que se dedica a muitos plantões e ainda ministra aulas na faculdade.

Powered by Rock Convert

Faça orientação profissional

Depois dos passos acima — que você deve fazer sozinho e que fornecerão muitas ferramentas para sua autoavaliação — procure um orientador profissional. Há psicólogos especializados em ajudar as pessoas a descobrirem a vocação profissional que têm. Primeiramente é realizada uma entrevista. Com base nela, algumas avaliações lhe serão propostas.

São realizados testes cognitivos, de personalidade e vocacionais. Esses fornecerão respostas que, tecnicamente analisadas, vão se aproximar da realidade, diminuindo, então, a possibilidade de autoengano, que é quando nos sabotamos sem nos darmos conta do que está acontecendo. Mas não pule etapas. Faça primeiro o que sugerimos nos pontos descritos anteriormente e só depois procure auxílio externo.

Vocação profissional ou sonho dos pais?

Como vivemos em sociedade, tendemos a nos organizar de acordo com as normas — escritas ou não — que ela nos oferece. Em menor escala, isso diz respeito também aos grupos dos quais fazemos parte. Como assim? Nossa identidade é formada também por esse entorno, entretanto, é fundamental compreender o que é de fato relevante para nossa atuação individual.

Muitas vezes, o desejo de mãe e pai não corresponde àquilo que sonhamos para nós mesmos. Da mesma forma, a opinião de amigos e conhecidos pode não condizer com o que realmente precisamos fazer. É preciso ter esse discernimento. Afinal de contas, é você que terá que lidar com as consequências dessa definição.

Agora sim! Se mesmo depois de tudo isso você continua afirmando “quero ser médico”, então, vá em frente. Organize sua vida de forma que seus anseios sejam atendidos. Lembre-se de que é essencial alimentar-se bem, praticar exercícios, divertir-se, relaxar e encontrar com as pessoas queridas. Sua profissão é muito importante e há tantas outras questões a serem levadas em consideração.

Já está começando a pensar nesse plano estratégico de autoconhecimento? Então curta nossa página no Facebook e fique a par de outras dicas que vão ajudar muito no seu processo de escolha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *