medicina como segunda graduação

A escolha de uma carreira acontece muito cedo, e por isso é comum as pessoas terminarem o curso superior, mas não se identificarem com a profissão. É nesse cenário que a Medicina como segunda graduação é a opção para muitos profissionais, principalmente aqueles que já têm afinidade, ou experiência na área da saúde.

Os profissionais de Medicina são um dos mais bem remunerados do Brasil, pois o mercado de trabalho é bastante promissor para a área. Nesse sentido, uma segunda graduação é um investimento importante, já que proporciona a conquista de objetivos profissionais e pessoais, além da possibilidade de construir uma carreira sólida.

Ficou curioso e quer saber mais sobre Medicina como segunda graduação? Então continue a leitura!

Realmente vale a pena fazer uma segunda graduação?

Tendo em vista que o investimento em educação é importante para a formação do ser humano e profissional — e que abre um leque de oportunidades no mercado de trabalho —, uma segunda graduação é um investimento que sempre valerá a pena.

Além disso, você já terá uma experiência profissional anterior e estará mais maduro para ingressar em uma segunda graduação, validando os conhecimentos já adquiridos e conquistando novos, que podem agregar muito à sua vida profissional. Assim, uma segunda graduação ainda é uma oportunidade de trilhar novos caminhos com mais maturidade e experiência.

É necessário fazer o vestibular?

Cada instituição de ensino tem seus critérios de ingresso na segunda graduação, mas, na maioria das vezes, os processos são simplificados, bastando entregar na secretaria da nova instituição de ensino os documentos requeridos.

Para isso, basta fazer contato com a faculdade onde você fez a primeira graduação e se informar sobre a obtenção de um novo título. Algumas instituições também podem requerer a participação em um processo seletivo simplificado.

Em quais casos as matérias são cortadas da grade curricular?

Quem já possui uma graduação pode eliminar parte da grade curricular na segunda graduação de Medicina. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), para aproveitar as disciplinas é necessário que o curso tenha a mesma carga horária e mesma equivalência de conteúdo programático.

De modo geral, para fazer a solicitação da dispensa da disciplina, é necessário que a ementa curricular seja 80% compatível, no mínimo. Ou seja, os conteúdos abordados precisam ser bastante semelhantes.

Para a dispensa das grades curriculares, no momento da inscrição do curso de segunda graduação, é necessário fazer a apresentação do diploma do primeiro curso superior, que deve ser reconhecido pelo MEC.

É nesse momento que deve ser apresentado o histórico escolar para análise curricular, que precisa ser assinado pela instituição responsável pela primeira graduação. Após as análises, é possível saber quais disciplinas podem ser excluídas e em quanto tempo será possível fazer a conclusão do segundo curso superior.

Como é possível se destacar em uma segunda graduação?

Uma segunda graduação é a chance de ampliar conhecimentos e aumentar sua qualificação para o mercado de trabalho. A vantagem para quem ingressa em um segundo curso de ensino superior é que, geralmente, o estudante já está mais maduro e pode usar isso a seu favor para aproveitar todas as oportunidades de conhecimento na segunda graduação, o que vai ao encontro das exigências para o curso de Medicina.

Como é o mercado de trabalho para médicos no Brasil?

Acompanhando o crescimento da população e as demandas por mais acesso à saúde, o número de médicos em atividade está aumentando no Brasil, conforme revelaram dados da Demografia Médica no país. São mais de 400 mil profissionais formados, o que representa, em média, 2,11 médicos para cada grupo de mil pacientes, sendo uma taxa comparada a países mais desenvolvidos, como Canadá, com 2,4, e Estados Unidos.

Distribuição dos profissionais no Brasil

Os grandes centros urbanos continuam concentrando o maior número de médicos, com destaque para a região Sudeste, com 55,3% do número de médicos.

No estado de São Paulo, dados do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) apontam 125 mil médicos no estado, ou seja, aproximadamente 30% do número total de médicos de todo o país.

Já a região Norte é a mais deficitária com relação ao número de médicos, com apenas 4,4%, configurando a região com mais possibilidade de trabalho, seguida da Centro-oeste, com 7,9%.

Fazendo o comparativo entre interior x capital, o Brasil tem a média de 4,84 profissionais médicos para cada mil habitantes. Em contrapartida, cidades do interior do Brasil têm apenas 1,23 profissionais por mil moradores.

A graduação de Medicina

Para se formar médico, é necessário fazer o curso de bacharelado em Medicina. A faculdade tem duração de seis anos e, para exercer a profissão, é preciso fazer o registro no Conselho de Medicina do seu estado.

Durante a graduação, a ementa curricular é dividida nos ciclos básico, clínico e internato. Já os conteúdos das disciplinas são diversos, com matérias sobre:

  • reprodução humana;
  • anatomia;
  • parasitologia;
  • imunologia;
  • psicologia médica;
  • bioquímica;
  • citologia;
  • genética;
  • saúde da criança e do adolescente.

Ao final do curso, o graduando tem oportunidades de trabalho no setor público ou privado, atuando como clínico geral, ou pode se especializar em uma das 53 áreas clínicas.

Para ser um especialista, durante o período de dois anos é necessário fazer uma residência médica reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina.

Como escolher uma instituição de ensino?

Fazer uma segunda graduação exige emprego de tempo e dinheiro. Logo, é preciso escolher uma instituição idônea e com o curso de Medicina reconhecido pelo MEC. Esses fatores são fundamentais para que a segunda graduação realmente tenha o peso desejado na sua formação, contribuindo para o sucesso profissional.

Além disso, é bom pesquisar se a instituição oferece laboratórios e toda a estrutura exigida pelo MEC. Procurar saber sobre a experiência dos professores também é fundamental, já que serão eles os responsáveis por transmitir todo o conhecimento do curso.

Como vimos ao longo desta leitura, a Medicina como segunda graduação é uma excelente oportunidade para construir uma nova carreira. Para garantir uma boa formação, é fundamental contar com uma instituição de ensino de qualidade para orientá-lo nesse processo de formação.

Se você gostou deste artigo sobre Medicina como segunda graduação, assine nossa newsletter para receber mais conteúdos como este!

Powered by Rock Convert

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *